Os artigos publicados no site da Rádio Taquara não refletem a opinião da emissora. A divulgação atende ao princípio de valorização do debate público, aberto a todas as correntes de pensamento.
Participe: jornalismo@radiotaquara.com.br
Publicado em 03/09/2021 16:37 Off

Carta aberta ao meu namorado: Feliz aniversário de namoro!

Não temos uma trilha musical como pano de fundo do nosso namoro. Lover da Taylor Swift foi reduzida a música de apresentação de powerpoint e a música do Kiss, I was made for loving you, nunca está entre os teus chutes. Às vezes, isso me abala. Sou sensível demais para não imaginar a música que embala os nossos corações.

Entretanto, é inegável a participação de B.B King e Eric Clapton nas nossas madrugadas. Desde o início. Desde quando eu ficava no teu quarto, com a tua camiseta vermelha xadrez e de calcinha preta. Bebendo e namorando. Não sei se foi reciclagem musical da tua parte, mas pra mim, sempre que eu ouvir esse álbum, vou lembrar da gente.

Entre tantas idas e vindas, dessas voltas loucas que o amor faz, a loucura maior foi dividir a vida contigo. O que eu tinha na cabeça? Shhh… Não responde! Deixa assim, vou aprender a lidar com isso. Mentira! Vou nada! Pelo amor, alguém, por favor, me diz que vai melhorar! Respira, Krishna.

Enfim, Natan. Devemos completar hoje seis anos de namoro. Quase dois anos morando junto. E em tão pouco tempo já passamos por muita coisa. Ainda estamos passando uma das piores crises no relacionamento, mas eu não quero focar nisso. Porque faz seis anos que me pediu em namoro no banco da FACCAT, debaixo de uma árvore e que fez com que eu ficasse sendo conhecida como a “Menina das Flores”. Faz seis anos que eu escuto B.B King e meu coração dispara. Faz seis anos que eu melhorei as minhas piadas e que tu ri delas com vontade.

Entretanto, faz dois anos que eu descobri um homem maravilhoso. Que está apredendo muito, mas que cozinha o melhor pão de forno que já comi. E faz a melhor bala de caramelo, e abre os braços no abraço mais quente do mundo quando a noite cai. Faz dois anos que tenho me descobrido mais mulher. Responsável, feminina, cuidadosa. Irritada e puta também, pqp. Faz dois anos que tive um aumento percentual significativo de cabelos brancos, segundo pesquisa anual.

Calma. Eu vou ser mais fofa. Pera. Eu fico feliz de ser com você as brigas, as conquistas e os sorrisos. A gente se entende, sempre. De algum jeito, ou depois de dias. Tipo, depois de muitos dias. Mas é contigo que comemorei as bodas de papel, e esse ano, vou comemorar as bodas de algodão. É contigo que penso no futuro, embora nem sempre eu consiga enxergar esse futuro. Mas está lá a tua presença. Eu sou míope, astigmática e rabugenta também. Era só ter visto os relincho da minha mãe pra saber onde tu tava se metendo. Sério, mãe, para de tomar chá de cavalinha.

Ainda assim, como namorada, tenho tido minhas parcelas de culpa. Esse ano, com certeza, é um dos piores. Não quero lembrar dele, mas quero superar ele contigo. Muitas vezes vamos ter vontade de desistir de tudo, cometer assassinato, explodir o mundo, separar até as migalhas do pão, contar os centavinhos da moeda e jogar tudo fora só por raiva, mesquinharia e birra. Afinal, nenhum relacionamento é perfeito. Nem o nosso, que tem mais ficção que Tarantino. E mais drama que Nelson Rodrigues e Agatha Christie juntos. A literatura avisa que as mulheres são loucas, aí vão lá querer ficar com a gente. Nem sinto.

Sobre nosso amor. Ainda vai crescer muito. Momentos como esse vão acontecer mais do que a gente quer. É como começar a tomar café sem açúcar. Depois, o amargo fica gostoso. Muda o paladar, há outros interesses. Mas eu ainda sou freneticamente alucinada no gosto da tua boca. Três beijos.

Da candidata a primeira dama, com todo o meu charme de Guria dos Inferno, Krishna Grandi.

Notas póstumas: esse texto não foi ao ar no momento certo. Mas está indo agora, e eu continuo te amando.

Por Krishna Grandi
[Leia todas as colunas]

>> Deixe sua opinião:
Os artigos publicados no site da Rádio Taquara não refletem a opinião da emissora. A divulgação atende ao princípio de valorização do debate público, aberto a todas as correntes de pensamento.
Participe: jornalismo@radiotaquara.com.br