Centro de Parto Normal do hospital de Parobé entra em funcionamento

De janeiro a setembro de 2021 foram 899 nascimentos no HSFA, que é referência obstétrica para a maioria dos municípios do Paranhana.
Publicado em 05/11/2021 16:32 | Atualizado em 05/11/2021 22:29 Off
Por Alan Júnior

Fotos: Divulgação/Assessoria HSFA

O novo Centro de Parto Normal do Hospital São Francisco de Assis (HSFA), obra projetada em 2014, entrou em funcionamento para as gestantes de Parobé e região. O espaço, que chegou a abrigar uma UTI COVID no pico da pandemia, foi reformado e equipado na segunda metade do ano e, desde o dia 25/10, está em pleno funcionamento. O Centro de Parto Normal presta atendimento à mulher e ao recém-nascido no pré-parto e nascimento.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Centro de Parto Normal Intra-hospitalar é uma unidade de atenção ao parto e ao nascimento localizado dentro da maternidade/hospital. Trata-se de uma concepção baseada em evidências científicas e na humanização de partos e nascimentos cuja ambiência está adequada às especificidades da atenção ao parto e nascimento humanizados, possibilitando que os períodos clínicos do parto sejam assistidos no mesmo ambiente pré-parto/parto/puerpério com a presença do acompanhante. 

Para que não haja interferência na interação mãe e filho, os cuidados com os recém-nascidos acontecem no mesmo ambiente do parto. O espaço é adequado para essas atividades, com bancada para apoio e água quente para esses cuidados. São 5 quartos com climatização e TV, além de itens que tragam alívio da dor à gestante, como banheira. O  local também contará com uma UTI Neonatal. Caso seja necessária intervenção cirúrgica (cesaeana), também já está em operação o novo Centro Cirúrgico, no mesmo prédio.

De janeiro a setembro de 2021 foram 899 nascimentos no HSFA, que é referência obstétrica para a maioria dos municípios do Vale do Paranhana. Foram 47% de partos normais e a expectativa é que a nova estrutura aumente este índice, conforme preconiza o Ministério da Saúde.

>> Deixe sua opinião: