Conselho da Comunidade está em fase de reativação e promove ações para melhorias no presídio de Taquara

Iniciativa busca qualificação educacional e profissional de detentos, além da articulação de políticas públicas para a reinserção de egressos do sistema prisional
Publicado em 05/10/2021 09:55 Off
Por Alan Júnior
Foto: Tuia Cezar/Divulgação-Presídio Estadual de Taquara

Será reativado em Taquara o Conselho da Comunidade, iniciativa que busca promover ações para melhorar o Presídio Estadual de Taquara, através da apresentação de projetos que busquem a qualificação educacional e profissional de detentos, além da articulação de políticas públicas para a reinserção de egressos do sistema prisional. A Prefeitura de Taquara terá participação no grupo, junto com outras entidades do Município.

O Conselho terá reuniões mensais, em que os integrantes construirão projetos para fortalecer o trabalho prisional. Segundo a diretora do Presídio Estadual de Taquara, Mara Pimentel, os novos membros entraram no grupo para colaborar para melhorias no presídio. “Com as mudanças, busca-se que o Conselho represente os diferentes setores da sociedade. Eles fiscalizarão as ações da penitenciária e os projetos sociais realizados”, explica.

A primeira reunião do Conselho está prevista para o dia 27 de outubro. O grupo é presidido por Tânia Nattus, representante da Pastoral Carcerária, e terá o juiz da Comarca de Taquara, Juliano Etchegaray, na gestão dos trabalhos. O Conselho também é composto por membros da Prefeitura de Taquara, Lions Clube de Taquara, ONG Vida Breve, Igreja Assembleia de Deus e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). “Uma das metas é também a inserção de membros da comunidade a nível do Vale do Paranhana, já que o presídio atende a pessoas de todas as cidades da região”, comenta Mara.

Atualmente, a casa de detenção de Taquara tem realizado diversas atividades com os detentos, como a remição pela leitura, na qual a pena pode ser reduzida através da leitura de livros na casa prisional; oficinas de matemática, realizadas pela ONG Vida Breve; além de outras ações psicossociais. “É importante que a comunidade seja informada a respeito dos benefícios do trabalho prisional, que contribui para a ressocialização destas pessoas”, completa a diretora. A população em geral interessada em participar do Conselho poderá entrar em contato diretamente com a presidente do grupo, Tânia Nattus, através do telefone (51) 99583-1984.

Participação da Prefeitura

Pela Administração Municipal, o representante titular do Conselho será o diretor de Habitação, Rafael Altenhofer, e o suplente será o secretário de Desenvolvimento Social e Habitação, Maurício Souza da Rosa. Rafael destaca a importância do grupo para o oferecimento de oportunidades aos detentos quando concluírem suas penas. “Grande parte da população carcerária possui pouco estudo, o que dificulta a reinserção no mercado de trabalho. Logo, a ressocialização passa por um tratamento humanizado, dando oportunidades durante a pena, como o oferecimento de estudo e cursos profissionalizantes”, frisa.

O diretor completa que não somente o poder público, mas a sociedade deve também participar ativamente deste processo de cidadania com os presos. “A sociedade sempre imaginou que o detento pagando a pena sairia do sistema carcerário pronto para ‘recomeçar’, mas cada vez mais vemos que não é tão simples. Se não dermos meios para isto durante este período, a probabilidade de recair será grande. A prisão não pode ser apenas um ambiente de punição, mas sim de aprendizado e conscientização”, finaliza.

>> Deixe sua opinião: