Geral
  COMBATE À DENGUE

Dengue no Paranhana: como as secretarias de Saúde estão administrando as suspeitas de caso pela região

Fêmea transmissora da doença tem hábitos diurnos e se multiplica em depósitos de água parada
Foto: Imagem ilustrativa (Freepik)

Transmitido pela picada da fêmea do Aedes aegypt, mosquito diurno também responsável pela transmissão da chikungunya, febre amarela e Zika, o vírus da dengue este ano está se alastrando pela região. Preocupados com a possível infestação do inseto, que se multiplica em depósitos de água parada, acumulada nos quintais e dentro das casas, os responsáveis pelas secretarias de Saúde dos municípios do Vale do Paranhana estão tomando uma série de medidas na tentativa de combater a doença.

A reportagem da Rádio Taquara entrou em contato com os seis municípios da região, fazendo um balanço sobre os números relacionados à dengue, até segunda-feira (11), questionando quantidade de testes já realizados, quantos casos positivos e negativos foram contabilizados, se houve algum agravamento da doença, entre outras questões. Igrejinha e Riozinho foram os únicos municípios que não responderam aos nossos questionamentos.

De acordo com dados informados na fanpage da Secretaria Municipal de Saúde, Igrejinha é o município do Paranhana com maior número de infectados com o vírus da dengue. Até segunda-feira já haviam sido contabilizados 2.224 casos positivos, sendo 227 ainda em tratamento e 1.997 já curados. O município também registrou 678 casos negativos, 30 pessoas aguardando resultados de seus testes e um óbito, de um homem, de 79 anos, que faleceu no Hospital São Francisco de Assis, em Parobé, no dia 24 de março de 2022.

Conforme a secretária de Saúde de Parobé, Ana Elisa de Lima, o município realizou 1.160 testes, sendo 618 positivos, 193 negativos e 279 ainda aguardando a análise. Nos pacientes que apresentam sintomas a menos de sete dias é feito a coleta do teste rápido e encaminhado para um laboratório local. E quem está com suspeita há mais de sete dias, o material é encaminhado para o Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Rio Grande do Sul (Lacen).

“Todas as pessoas que estiverem com sintomas de dengue devem comparecer na unidade básica de saúde (UBS) Integração, onde serão avaliadas por um médico, encaminhadas ao laboratório local para a coleta de material para exame e já terão agendado o retorno para verificar o resultado e, se necessário, fazer nova coleta para ser enviada ao Lacen”, explica Ana Elisa.

O secretário de Saúde de Rolante, Ricardo Gonçalves, contabilizou até segunda-feira a coleta de 15 exames para investigação da dengue, tendo o resultado de apenas dois, ambos negativos, estando ainda no aguardo do restante dos exames. E na terça-feira (12), o Município recebeu a confirmação do Lacen do primeiro caso de dengue registrado em Rolante.

“Pacientes com sintomas devem procurar os serviços de saúde do município e, se necessário, são encaminhados para coleta de material na Central Covid ou no hospital do município. Esse material então é encaminhado ao Lacen”, conta o secretário de Saúde de Rolante.

De acordo com a secretária de Saúde de Três Coroas, Letieri Gonçalves Lessa, em razão do aumento na demanda de pessoas em busca do teste de dengue, o município está encaminhando os exames para o Lacen e também está finalizando o processo de contratação de coletas com um laboratório conveniado, para agilizar o processo de coletas e resultados.

“Pessoas com suspeita da doença devem realizar uma consulta médica e depois, com a solicitação do exame, se dirigir até a secretaria de Saúde para a notificação e coleta do exame. Até hoje [segunda-feira], registramos 79 casos positivos, 36 negativos e temos outros 220 pacientes aguardando pelo resultado”, menciona Letieri.

A secretária de Saúde de Taquara, Mariane Farias da Silva, explica que dos exames laboratoriais realizados em outros locais, os particulares, a secretaria só recebe aqueles com resultados positivos, para serem encaminhados ao Lacen. Até segunda-feira, Taquara havia contabilizado 116 testes, enviados ao laboratório do Estado, sendo 25 realizados em laboratório privado, com resultado positivo. Mariane informou ainda a realização de 95 testes rápidos e 236 exames laboratoriais, quantidade realizada via secretaria de Saúde, pelo sistema único de saúde (SUS).

Taquara tem disponível o teste rápido, aplicável a partir do quinto dia de sintomas – é realizado no Posto 24 horas, com solicitação médica, e o resultado fica pronto em 10 a 15 minutos; o teste laboratorial, aplicável a partir do primeiro dia de sintomas – são encaminhados para laboratório contratado, a critério médico, e o resultado fica pronto de quatro a oito horas; e o Lacen (confirmatório), as amostras são encaminhadas ao Laboratório do Estado e o resultado é liberado de 10 a 20 dias.

Entre os testes rápidos foram contabilizados nove positivos e 86 negativos. Os laboratoriais somaram 79 positivos (63 suspeitos + 16 confirmados pelo Lacen) e 157 negativos. E o Lacen registrou 25 positivos (16 via SUS + nove de outros locais), 12 negativos e 79 aguardando resultado.

“Em caso de suspeita de dengue as pessoas podem procurar qualquer unidade básica de saúde (UBS), ou a tenda montada junto ao Posto 24 horas, local que tem atendimento direcionado para Covid-19 e dengue. Este é o único local onde o teste rápido está disponível, desde que seja solicitado pelo médico. Orientamos que os pacientes deem preferência ao atendimento junto ao Posto 24 horas, mas não há restrição de atendimento dos pacientes com suspeita de dengue nas demais UBSs”, relata a secretária de Saúde de Taquara.

A secretaria de Saúde de Taquara observa ainda que pacientes com suspeita de dengue devem tomar alguns cuidados, mesmo antes de receber atendimento médico, que são fazer repouso, hidratar-se bebendo bastante água e usar apenas medicamentos prescritos pelo médico.

Até que a situação seja normalizada, os moradores do Vale do Paranhana devem continuar mantendo algumas medidas preventivas, como utilizar repelente, de acordo com as instruções dos rótulos; eliminar os locais de possíveis criadouros do mosquito, não deixar água parada em nenhuma superfície da sua casa e, se possível, cobrir a maior parte do corpo com roupas claras e colocar telas em janelas e portas.