Escola de Educação Infantil Vovó Arlete em Taquara retorna para gestão municipal

Contrato com empresa terceirizada encerrou em julho e, a partir de agora, a secretaria de Educação assume a gestão
Publicado em 02/09/2021 09:38 | Atualizado em 02/09/2021 12:01 Off
Por Alan Júnior

Com o encerramento do contrato com a Associação de Desenvolvimento de Projetos Educacionais, Culturais e Sociais (Adepcs) para a administração da Escola Municipal de Educação Infantil Vovó Arlete, a Prefeitura de Taquara, através da Secretaria de Educação, Cultura e Esportes, assumiu a gestão do educandário do bairro Mundo Novo. Na manhã desta quarta-feira (1º), a prefeita Sirlei Silveira e a secretária Carla Silveira, acompanhadas de vereadores, visitaram o local para acompanhar o início das atividades com a municipalização.

A Vovó Arlete, com 150 alunos, era uma das três escolas sob cuidados da Adepcs. O Município já tinha a intenção de retomar o controle sobre a escola em 2022, mas, como houve o encerramento do contrato com a associação e a mesma não aceitou a renovação por mais seis meses, optou-se pela municipalização. O termo de parceria também foi firmado com a Emei Tia Paty, no Santa Rosa, e a Emei Leonel Brizola, no Empresa. “Nossa maior preocupação era em relação ao ensino, que as nossas crianças não fossem prejudicadas. Então, nos organizamos para garantir que não houvesse interrupção no serviço, oferecendo um ambiente mais seguro, higienizado e uma merenda com mais qualidade”, reforçou a prefeita Sirlei Silveira.

Desde o final da semana passada, a equipe pedagógica da Secretaria de Educação trabalhou na estruturação do quadro de pessoal. “Estamos primando pela qualidade do serviço. Vamos conseguir manter sete professoras que foram aprovadas no último edital, assim como serventes e merendeiras, garantindo alguns vínculos destes profissionais com os alunos”, destacou a secretária de Educação Carla Silveira.

Conversa com professores

Na manhã desta quarta, a prefeita esteve com a secretária Carla, secretário de Administração, Régis Souza, e os vereadores Marcelo Maciel, Adalberto Soares e Beto Lemos na escola conversando com a diretora Dionara Porto Amorim e professoras que foram desligadas em razão do término do contrato. “Ouvimos relatos de que muitas delas não eram ouvidas pela Adepcs e também de que a qualidade da merenda deixava a desejar. No início da gestão, havíamos solicitado algumas demandas que chegaram até nós, como um incremento no salário, mas que não foram atendidas nos prazos acordados”, salientou a prefeita Sirlei Silveira.

>> Deixe sua opinião: