Geral
  COMBATE À DENGUE

Escolas de Taquara realizam ações de prevenção e combate ao mosquito da dengue

Campanha já é realizada há alguns anos e foi ampliada em 2022 diante do aumento de casos de dengue em Taquara
Foto: Ruan Nascimento/Prefeitura de Taquara

Em Taquara, as ações de combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue e outras doenças, também contam com o apoio dos estudantes das escolas municipais e estaduais. Desde o início do ano letivo, 45 escolas da rede pública de ensino já realizaram diversas atividades de educação ambiental, com foco em identificar e eliminar focos do mosquito causador da dengue. Nos últimos meses, cada escola se organizou para mobilizar alunos, professores e a comunidade geral sobre os perigos da doença para todos.

De acordo com a coordenadora ambiental da Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (Smece), Luciana Martins, esta é uma campanha que já é realizada há alguns anos pela pasta, e em 2022 foi ampliada diante do aumento de casos de dengue em Taquara.

“Em março, foi criado o ‘Comitê Municipal Intersetorial de Controle e Combate à Dengue, Zika Vírus e Chikungunya’, composto por integrantes das secretarias de Educação, de Saúde, de Meio Ambiente e de Desenvolvimento Social, além do Conselho Municipal de Saúde, do Hospital Bom Jesus e da Comunicação Social, para traçar ações em conjunto para evitar a proliferação da doença na cidade”, explica Luciana.

Através desse comitê, a Smece alinhou estratégias com a Secretaria de Saúde para a realização de palestras nas escolas, com a presença do personagem Mosquitão, e mutirões de alunos com os agentes de endemias por alguns bairros.

A secretária de Educação, Cultura e Esportes, Carla Silveira, lembra que a iniciativa das escolas tem um alcance muito positivo, ressaltando a parceria com a Secretaria de Saúde.

“É algo que nos fortalece e nos dá suporte para que possamos realizar estas ações de forma mais segura, com o apoio técnico. É uma parceria muito importante da população, ressaltando todos os cuidados para evitar o aumento de casos de dengue no nosso Município”, destaca Carla.

Para a prefeita Sirlei Silveira a criação do comitê é essencial no combate ao Aedes aegypti na cidade, já que o trabalho coletivo permite a realização de ações estratégicas para eliminar focos do mosquito.

“A dengue é uma doença perigosa que, em alguns casos, pode levar à morte. Por isso, é importante o empenho de todos nesta luta para evitar a circulação do mosquito. Se cada morador fizer a sua parte, conseguiremos reduzir o número de casos por aqui”, salienta a prefeita de Taquara.

Ressaltando a importância dos trabalhos do comitê, a secretária de Saúde, Mariane Farias da Silva, frisa que a parceria com as escolas é essencial para o sucesso do combate à dengue na cidade.

“Os jovens estudantes são agentes transformadores e multiplicam o conhecimento na família e na comunidade. Para eliminar o Aedes aegypti, toda a população precisa participar, e as crianças têm um papel fundamental para que, desde pequenas, iniciem as atividades de prevenção, e que pratiquem por toda a vida”, analisa Mariane.

Conscientização dos estudantes

Uma das recentes ações de combate à dengue foi na Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Dr. Alípio Alfredo Sperb, no bairro Santa Maria. Os alunos da Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola (Comvida) elaboraram, na última quinta-feira (28), um túnel de reflexão sobre o que deve ser feito para evitar a proliferação do Aedes aegypti, como colocar areia nos pratos dos vasos, por exemplo.

“Em todos os anos, realizamos ações para evitar que tenham casos de dengue no bairro, com atividades que são feitas aqui na escola, e que também possam mobilizar a comunidade sobre os perigos desta doença”, conta a diretora da escola, Vilma Sant’Ana Bastos.

Ao comentar sobre a elaboração do túnel, a aluna da Comvida, Taiane da Silva, de 14 anos, ressalta que a iniciativa busca conscientizar os alunos sobre os cuidados que todos devem ter para evitar criadouros do mosquito.

“Nem todos sabem que um pneu com água ou uma garrafa virada para cima podem ser focos do Aedes aegypti. Então, fazemos nossa parte para alertar os colegas, que assim também podem falar com os seus familiares sobre a prevenção da dengue”, destaca a jovem.

A mobilização na escola também envolve quem já passou pela Comvida, caso da professora auxiliar Raíssa Corrêa, que era integrante da comissão quando era estudante.

“Muitas vezes nem mesmo nós, adultos, sabemos que cuidados temos que tomar. Por isso, a escola faz esse papel de proporcionar conhecimento e conscientizar os moradores”, ressalta Raíssa.