Os artigos publicados no site da Rádio Taquara não refletem a opinião da emissora. A divulgação atende ao princípio de valorização do debate público, aberto a todas as correntes de pensamento.
Participe: jornalismo@radiotaquara.com.br
Publicado em 17/01/2020 15:03 Off

Escolhas

Olá, queridos amigos! Vamos falar de uma situação que passamos muito na vida. Momento de fazer escolhas.

Provavelmente já falei sobre o assunto, e seguirei falando enquanto poder fazer as minhas.

Imagino a vida como uma planta pluvial, o mapa dos rios, onde em muitos ou poucos quilômetros temos que decidir entre uma bifurcação, trifurcação ou mais. Se soubermos para onde queremos ir e tivermos uma boa orientação espacial, no mínimo iremos na direção certa, mas é possível de não ser o exato caminho esperado, corre-se o risco de ser surpreendido, no bom ou mal sentido. Por isto quando abrimos a possibilidade para surpresas e aventuras, tecnicamente se vai além. Por vezes desligar o motor e deixar a suavidade das correntes nos embalar, enquanto observamos o entorno.  Mais uma vez digo que maturidade é uma bênção, e ela não vem apenas com a idade, vem com vivências.

Como disse no texto da semana passada, aceitei um convite sem certeza algum sobre o futuro, mas com a sensação de que havia me preparado para isto, viver com intensidade suavemente, o hoje me deixava segura para vivê-lo.

 A decisão de viver um romance, relacionamento e uma experiência pessoal em um paraíso não é sem ônus, o que fazer sobre a distância dos meus amores?  Filhos, amigos, trabalho, meu apartamento gostoso, e mais e para mim o único impasse, escolher viver mais tempo longe do meu recém chegado maior amor, meu neto Augusto.

Para mim a razão teve que ser a gestora desta questão e a segurança no meu maior sentimento, o amor.

Amor por meus filhos que estão adultos, resolvidos, unidos em suas próprias buscas. Não tem distância que mude isto, ainda mais em tempos de comunicação tão acessível. O trabalho no meu caso sou autônoma, criativa e me adequando à vida nômade. Amigos, sinto saudade e adoro as idas e vindas, tanto no Sul e agora amigos queridos no Nordeste. Sobre o Augusto, olho muitas fotos e vídeos a toda hora, falamos semanalmente por vídeo e quando estou perto aproveito cada minuto. Tenho a tranquilidade de ele ter os melhores pais do mundo, a melhor família que poderia ter, e eu sou a vó. Sem dúvida nem medida para este amor. (Obrigada a @JanainaJacometo por me inspirar e encorajar a curtir este amor e mostrar ser possível ser vó à distância). Bom a história é esta! Não foi nem é fácil em todos os momentos fácil, cada escolha é uma renúncia, a minha, só por hoje, tem me feito feliz. Sigo com tudo que tinha e mais a experiência de encontrar um indivíduo que eu mesma desconhecia, em mim.

Instagram @ericaimagem
Face Érica Ostrowski 

>> Deixe sua opinião:
Os artigos publicados no site da Rádio Taquara não refletem a opinião da emissora. A divulgação atende ao princípio de valorização do debate público, aberto a todas as correntes de pensamento.
Participe: jornalismo@radiotaquara.com.br