Levantamento no site do Estado aponta divergência entre doses de vacinas recebidas e aplicadas no Paranhana

De acordo com as informações do Estado, os municípios que mais apresentam diferenças na aplicação das doses, pela ordem, são: Três Coroas, Parobé e Taquara.
Publicado em 18/10/2021 15:36 | Atualizado em 18/10/2021 15:46 Off
Por Alan Júnior
Foto: Albert Gea/Reuters

Após questionamentos encaminhados por ouvintes e leitores sobre a divergência de doses de vacinas – recebidas e aplicadas na população dos municípios do Vale do Paranhana – contra a Covid-19, a reportagem da Rádio Taquara realizou um levantamento dos números através de pesquisa aos dados disponíveis no site do Governo do Estado, https://vacina.saude.rs.gov.br/.

De acordo com os dados, que foram colhidos nesta segunda-feira (18), a quantidade de doses que, segundo as informações constantes no site, foram enviados para aplicação nos moradores da região não condiz com as doses aplicadas na população. Inclusive, a apuração constatou que em algumas das seis cidades do Paranhana, as diferenças entre as doses de imunizantes recebidas/aplicadas são gritantes.

Três Coroas

Conforme os dados do Estado, o município de Três Coroas apresenta a maior diferença na aplicação das injeções vacinais contra o coronavírus. O município teria recebido do Governo do Estado a quantidade de 40.932 doses de imunizantes e aplicado apenas 10.989, totalizando uma diferença de 29.943.   

Prefeitura de Três Coroas

Em contato com a assessoria de imprensa, da Prefeitura de Três Coroas, a reportagem foi informada que o município tem enfrentado problemas nas transmissões desses dados de vacinas para o Estado, afirmando não ser verdadeiro o que aparece no site do Governo. “A Secretaria da Saúde do Governo do Estado entendeu que é problema no sistema, tanto que não trancou o envio de vacinas”, destaca a Prefeitura.

A administração municipal encaminhou um link (Abaixo para consulta) sobre o índice de vacinas aplicadas contra a Covid-19, em Três Coroas. Em consulta realizada na tarde desta segunda-feira (18), os dados informam que foram aplicadas, entre primeiras e segundas doses 31.197 injeções, o que se aproxima da quantidade enviada pelo Estado, que é de 40.932. Porém, resta ainda uma diferença de 9.735 doses que não foram detalhadas pela prefeitura.

https://datastudio.google.com/u/0/reporting/50fc2278-2c59-442a-b81b-7c8c29ca6721/page/Sbt5B

Parobé

O segundo município com maior discrepância entre doses recebidas pelo Estado e aplicadas na população é Parobé. Segundo os dados do governo estadual, também coletados nesta segunda-feira (18), o município teria recebido um total de 84.188 doses de imunizantes, tendo aplicado 69.754, resultando em 14.434 que ainda não teriam sido aplicadas.

Prefeitura de Parobé

De acordo com a Prefeitura, o estoque constante na geladeira do município é de 11.580 doses de vacina. Destas, 5.920 são de Coronavac o que, conforme a administração municipal está reservada para a faixa etária dos 18 anos ou mais, e não está mais havendo procura. A prefeitura informa que, devido à baixa procura dessa vacina, estão em contato com o Estado para fazer a devolução das mesmas, e não receber mais doses referentes a este público. Destaca ainda, que possuem bastante doses na geladeira, muitas delas em uso sendo aplicadas na população de 12 a 17 anos, reforço de idosos de 60 anos e segunda doses.

Taquara

Já o município de Taquara aparece no levantamento como sendo o terceiro da região do Vale do Paranhana, em se tratando da diferença encontrada entre imunizantes recebidos pelo Estado e aplicados na população. Conforme o governo estadual, Taquara recebeu 78.736 doses de vacinas contra a Covid-19, mas aplicou apenas 64.543 injeções, o que aponta para uma diferença de 14.193 doses.

Prefeitura de Taquara

A Secretaria de Saúde de Taquara explica que a diferença nos dados da vacina contra a Covid-19 do Estado em relação ao Município está no estoque de segundas doses (D2) e nas doses de reforço, que na medida em que chegam as diretrizes do próprio Estado, a Secretaria aplica. Há também um delay (atraso) na digitação pela equipe de vacinadores após aplicarem as doses. Nesta quarta-feira de manhã, a equipe de imunizações teve reunião para atualização do banco de dados. Será feito mutirão para cadastrar as últimas vacinações. A Saúde tem vacinas D2 em estoque para serem aplicadas nas próximas semanas, de 14 de outubro a 3 de novembro, conforme as datas já pré-determinadas nas D1.

Igrejinha

Em Igrejinha, as doses recebidas pelo Município, conforme os dados do governo estadual somam 54.586 vacinas. Em contrapartida, foram aplicadas 47.034 injeções na população igrejinhense, o que resulta na dissemelhança de 7.552 doses. Os dados foram colhidos, no site do Estado, nesta segunda-feira (18).

Prefeitura de Igrejinha

Conforme a assessoria de imprensa do Município, Igrejinha recebeu até o momento um total de 53.626 doses de vacinas e aplicou 45.579, perfazendo um percentual de 85% de doses recebidas aplicadas. Esta diferença de 8.047 doses está armazenada na Câmara fria da Unidade Sanitária,  aguardando o momento da aplicação.

Quantidade em estoque:

Pfizer: D1 602 – D2 2416 – D3 1062

Astrazeneca – D2 – 1255

Coronavac – D1 480 – D2 2232

O Município informa ainda, que estas doses estão sendo utilizadas nos drives e ações de vacinação que ocorrem semanalmente e todas que são de D2 ou D3 estão aguardando o período de intervalo entre as doses para serem aplicadas.

Rolante

Ainda conforme as informações desta segunda-feira (18), retiradas do site do governo do Estado, o município de Rolante recebeu a quantia de 29.642 imunizantes, tendo aplicado em sua comunidade 27.271 injeções, o que aponta a desigualdade – entre doses recebidas e aplicadas – de 2.371 imunizantes.

Prefeitura de Rolante

Segundo a assessoria de Comunicação da prefeitura, sobre essas doses, algumas delas aplicadas ainda não foram digitadas no sistema e o restante está armazenada a espera do tempo adequado para aplicação de segunda e terceira dose.

Riozinho

Por fim, o município de Riozinho, que apresenta o menor número de discrepância entre doses, conforme o governo do Estado, recebeu 7.300 doses e aplicou na população 6.251 injeções. Diante dos dados, o município teve a diferença de 1.049 doses de imunizantes ainda não aplicados.

Prefeitura de Riozinho

De acordo com o secretário Municipal de Saúde, Ramão Corso, esta diferença é um conjunto de fatores:

“1º – Doses destinadas à população indígena, que foram destinadas a Riozinho, mas aplicadas por uma equipe da SENSAI, e que não aparecem no SI-PNI como Riozinho; 2ª – a situação dos frascos da coronavac que não davam 10 doses, e que foi praticamente impossível informar o problema no site da ANVISA, porque a área destinada a isso não funciona; 3º – a falta de tempo/pessoal para o lançamento das vacinas no sistema, e a demora (aproximadamente 48h) para o sistema atualizar; 4º – Nesta última semana, foi recebida uma grande quantia de vacinas para 3ª dose nos idosos, e o engajamento desta vez não está tão bom quanto o desta faixa etária nas 1ª e 2ª doses, tendo a necessidade de se fazer uma busca ativa destas pessoas para a vacinação”, destacou o secretário.

Em relação aos dados do governo do Estado, que foram coletados no site https://vacina.saude.rs.gov.br/ nesta segunda-feira (18), e os dados encaminhados à nossa reportagem pelas prefeituras das cidades do Paranhana, podem ocorrer pequenas diferenças nas doses informadas pelas administrações municipais. Isto acontece devido a um atraso entre a publicação desta matéria no site da Rádio Taquara e a entrega dos dados – por parte das prefeituras.

>> Deixe sua opinião: