Cultura e Lazer
  LANÇAMENTO DE LIVRO

Livro sobre a presença africana e afro-brasileira na região é lançado em Taquara

Publicação é resultado da tese de doutorado do professor Ubiratã Ferreira de Freitas

Na noite da quarta-feira (13), foi lançado na Diretoria de Cultura de Taquara o livro “Cotidiano e Trabalho: experiências negras e escravas na província do Rio Grande do Sul”. A publicação retrata um estudo sobre a participação e presença da população africana e afro-brasileira nas regiões dos Vales dos Sinos e Paranhana, no século XIX, e é resultado da tese de doutorado do professor de História, Ubiratã Ferreira de Freitas.

Conforme a prefeitura de Taquara, cerca de 50 pessoas prestigiaram o lançamento do livro, que faz um mapeamento da população negra escravizada que vivia na região entre 1856 e 1888.

“É um grande trabalho apresentado pelo professor Ubiratã, que encontrou diversos registros sobre este período, sendo um importante resgate histórico do Município e região”, conta a prefeita Sirlei Silveira.

O diretor de Cultura, Luciano Salvaterra, ressalta a importância da obra.

“Este livro é muito importante tanto para a comunidade em geral quanto para a comunidade acadêmica. É uma forma de reconhecer uma comunidade que foi esquecida com o fim da escravidão, sendo necessário o resgate destas histórias vividas aqui nos vales dos Sinos e Paranhana”, reforça Luciano.

O livro recém lançado é o terceiro escrito pelo autor, que também publicou “A fronteira é logo ali mas permaneci escravo” e “Caminhos brancos, trajetória negra”. Ubiratã conta que lançar “Cotidiano e Trabalho: experiências negras e escravas na província do Rio Grande do Sul”, em Taquara, ocorreu em razão do trabalho ser centrado na região.

“No período pesquisado, cheguei a encontrar registros de 763 pessoas escravizadas em cativeiro, através da pesquisa em fontes primárias, com nome, valor e quantidade por proprietário, além de encontrar nomes em livros de batismo. Escolhi apresentar o livro aqui para tirar da invisibilidade essa população, ampliando as discussões sobre o escravismo na região”, explica Ubiratã.

O professor reforça que seu trabalho contribui para o debate sobre o racismo estrutural.

“É fundamental resgatar sobre o passado destas pessoas, principalmente na região, colocando-os no mesmo patamar que quem tem descendência europeia e é tratada como desbravadora destas terras. Os negros foram raptados da África, fizeram o serviço pesado por aqui, mas não foram reconhecidos pela sociedade branca. Portanto, contar sua história busca trazer a sua identidade”, esclarece o autor.