Geral
  SAÚDE

Moradores de Parobé pedem ajuda para encaminhar filha com nódulo na mama para exame

Durante entrevista com a secretária de Saúde de Parobé, Ana Elisa de Lima, a reportagem foi informada que a biópsia será marcada ainda nesta quinta (23).
Júlio e Viviane com exames realizados pela filha.

A jovem Ana Júlia Borges de Melo, de 13 anos, tem passado por momentos difíceis nos últimos quatro meses, assim como seus pais, Júlio César de Melo, 41, e Viviane Borges de Melo, 39, passam por momentos de aflição em razão do problema de saúde enfrentado pela filha. A menina possui um nódulo na mama direita, desde os oito anos, porém, em fevereiro de 2022, Ana Julia passou a sentir dores no local e houve o crescimento exponencial do gânglio, que dobrou de tamanho em quatro meses.

De acordo com Júlio e Viviane, a jovem possuía uma pequena saliência no seio desde que tinha sete a oito anos e, até então, os pais acreditavam se tratar apenas do crescimento da mama. “Nós levamos a Ana Júlia para realizar uma consulta. O médico disse que essa era uma situação normal e que levássemos ela a cada seis meses para uma nova avaliação”, diz Viviane.

Quando a menina completou 13 anos de idade, começou a sentir dores no local. Os pais disseram que, prontamente, a levaram para uma consulta, realizada no dia 18 de fevereiro deste ano, em que o resultado do laudo apresentou “imagem nodular sólida e hipoecoica de contornos lobulados medindo 2,8 x 1,4 cm”. Novamente, o profissional responsável sugeriu “controle ecográfico em seis meses”.

Entretanto, como Ana Júlia seguia com dores e o nódulo crescia cada vez mais, os pais conduziram a menina a um médico mastologista, onde foi realizada uma ‘Ultrassonografia Mamária’, que detectou na mama direita “nódulo sólido ocupando os quadrantes interno e externo medindo 6,0 x 2,0 cm, de textura heterogênica….e crescimento rápido”. Ainda conforme o laudo, a orientação do profissional aos pais foi para que levassem a menina para a realização de uma biópsia do nódulo para identificar se há presença de câncer, outras doenças ou não.

Após a conclusão do médico mastologista, o casal destaca que iniciou uma peregrinação na tentativa de conseguir um encaminhamento para a realização da biópsia, em Porto Alegre, visto que Parobé não possui esse tipo de exame. Porém, em contato com uma funcionária do Centro Municipal de Atendimento à Criança (CEMAC), Júlio e Viviane teriam recebido apenas repostas evasivas e confirmações – para a marcação da biópsia – que nunca se concretizaram.

Os pais relatam que, em encontro com a secretária Municipal de Saúde, Ana Elisa de Lima, realizado na tarde desta quarta-feira (22), a secretária teria informado que eles deveriam procurar a Justiça para tentar conseguir o encaminhamento para a realização da biópsia via judicial. Ainda segundo Júlio e Viviane, Ana Elisa destacou que a lista de espera para este tipo de procedimento é de responsabilidade do Estado.

Secretaria Municipal de Saúde de Parobé

A reportagem da Rádio Taquara entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde de Parobé, em busca de mais informações sobre o caso. A secretária da pasta, Ana Elisa de Lima, prontamente respondeu aos questionamentos informando que o médico do município tem mantido contato com a regulação do Estado quase que diariamente e foi solicitado à família que tente via judicial.

“Ontem (quarta-feira) eu conversei com os pais, expliquei que é uma alta complexidade, orientei entrar via judicial, porque, entrando judicial é mais fácil da gente cobrar do Estado. Nós poderíamos até ajudar a família e pagar a biópsia. O problema é que quando ela vai para uma alta complexidade, nem sempre eles aceitam os exames daqui”, explica a secretária.

Ainda conforme Ana, uma consulta via TelessaúdeRS, com a regulação do Estado, foi marcada ontem para ser realizada na tarde desta quinta-feira (23). Esse encontro virtual tem por finalidade discutir com a médica (o) do Estado, se uma biópsia realizada pelo Município seria aceita em hospitais de Porto Alegre, visto que a Capital é referência na área e por se tratar de alta complexidade.

Entretanto, durante a entrevista, a secretária disse que independente da tele-consulta, a biópsia agora será sim realizada pelo Município. “Eu vou marcar a biópsia da mama da menina e vou avisar a família, mesmo assim. Eu vou fazer isso ainda hoje, vou marcar a biópsia, mas, isso não quer dizer que o exame será aceito em Porto Alegre. Lá, ela vai ter que fazer outra. Vamos fazer isso para tranquilizar a família e, acho que até o dia 30 (junho) pode estar saindo então a data da avaliação”, afirma a secretária.