Multa por descarte irregular de resíduos em Parobé alcança R$ 274 mil

Prefeitura realiza sindicância para apurar uso indevido de máquina e área pública.
Publicado em 27/02/2018 17:27 Off
Por Vinicius Linden

Carlos Freitas, diretor de Meio Ambiente, explicou andamento das investigações em Parobé. Vinicius Linden/Jornal Panorama

O descarte irregular de resíduos industriais no parque do Festejando Parobé acarretou uma multa de R$ 274 mil aplicada pela Secretaria de Meio Ambiente à empresa responsável pelo despejo do material. A informação foi revelada pelo diretor de Meio Ambiente, Carlos Freitas, em entrevista ao programa Painel 1490, da Rádio Taquara, na manhã desta terça-feira. De acordo com Freitas, esse valor ainda poderá ser alvo de abatimento, desde que a empresa assuma outros compromissos de compensação ambiental.

Freitas relatou, no dia 16, foi informado pelo secretário de Meio Ambiente, Valdenir Martins, de que deveria ser feita vistoria no depósito de restos de podas e galhos da Secretaria de Obras, no bairro Paraíso. O local também recebe resíduos da construção civil. Segundo Freitas, no depósito, foi constatado um grande descarte de resíduos industriais. Imediatamente a equipe passou a fazer a identificação do material e, na segunda-feira, dia 19, passaria a notificar a autuar os responsáveis.

Para a surpresa da equipe, segundo Freitas, na segunda-feira foi constatado no parque do Festejando Parobé, pela parte da manhã, uma máquina da Prefeitura trabalhando, um trator de esteira laranja. Segundo o diretor, esta máquina estava realizando a movimentação de terra e de resíduos da construção civil ao lado da pista de skate. Foi determinado que o operador cessasse o trabalho da máquina e, com uma retroescavadeira, foram providenciadas escavações no local. Embaixo dos resíduos de construção civil, foram encontrados enterrados restos industriais, como EVA moído, entre outros, em grande quantidade.

Diante da gravidade, Freitas disse que o prefeito interino Moacir Jagucheski foi informado do caso e, imediatamente, determinou que fossem adotadas todas as providências para apurar a situação e as responsabilidades. Mesma providência tomou, segundo Freitas, o secretário Valdenir. O diretor contou que, então, ouviu o coordenador do parque do Festejando e os guardas, que confirmaram que foram máquinas e funcionários da Prefeitura trabalharam no local. Além disso, as testemunhas relataram que foram abertas valas e caminhões, de uma empresa de terraplanagem de Parobé, levaram o material até o parque.

Freitas confirmou que o material despejado no parque do Festejando Parobé é oriundo de uma empresa de Eduardo Corrêa, filho do secretário de Obras, Lázaro Dias, afastado do cargo na última sexta-feira. Segundo Freitas, o próprio Eduardo teria admitido que descartou os materiais naquele local. A empresa dele foi multada em R$ 274 mil e a empresa de terraplanagem que fez o transporte também recebeu multa, de pouco mais de R$ 4 mil. Todas têm prazo de defesa junto ao processo administrativo. Freitas disse que, quanto ao resíduo encontrado no depósito da Secretaria de Obras, embora se assemelhe ao localizado junto ao parque do Festejando, ainda está sendo apurada a procedência e não há confirmação de que, eventualmente, pertença à empresa de Eduardo.

O diretor de Meio Ambiente diz que foi determinada, ainda, a abertura de uma sindicância pela Prefeitura para apurar a responsabilidade dos funcionários que trabalharam no local, uma vez que é um ponto de crime ambiental. Com relação à quantidade de materiais descartados no parque do Festejando, Freitas diz que a dimensão certa só se saberá quando for contratada uma empresa para a retirada dos resíduos. Contudo, ele estima que pelo sete carretas com capacidade para 35 metros cúbicos tenham sido despejadas no local. Freitas garantiu apuração rigorosa do caso por parte da Prefeitura e, ainda, com transparência.

CONTRAPONTOS
– Panorama tentou localizar, pela manhã, o secretário de Obras, Lázaro Dias, para comentar o caso. Seu telefone celular indicou sempre como desligado.
– A reportagem não conseguiu encontrar Eduardo Corrêa para se manifestar a respeito.

Acompanhe em vídeo a íntegra da entrevista com Carlos Freitas:

>> Deixe sua opinião: