Operação contra o tráfico de animais silvestres é realizada em Parobé e outros 13 municípios gaúchos

Megaoperação envolve 235 policiais civis e militares
Publicado em 25/11/2021 08:14 | Atualizado em 25/11/2021 09:04 Off
Por Rádio Taquara
Fotos: Divulgação/Polícia Civil

Deflagrada na manhã desta quinta-feira (25), a “Operação Arca” está sendo realizada com o objetivo de combater o tráfico de animais silvestres. A megaoperação envolve 235 policiais civis e militares, que cumprem 44 mandados de busca e apreensão e cinco de prisão temporária em 14 municípios do Rio Grande do Sul, incluindo Parobé.

Os policiais fazem buscas contra quadrilha que vende animais silvestres pelas redes sociais, incluindo aves que chegavam a R$ 2,5 mil por espécime, além de macacos Prego e Sagui, Coruja Suindara, Jiboia Albina, tartarugas, Ouriço Pigmeu Africano, jabuti e iguanas.

Durante a ação, ocorrida em Porto Alegre, Gravataí, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Cachoeirinha, Viamão, Minas do Leão, Barra do Ribeiro, Canoas, Sapucaia do Sul, Parobé, Portão, São Sebastião do Caí e Alvorada, estão sendo investigadas também a comercialização de armas longas ilícitas, destinadas à caça dos animais, e associação criminosa.

Conforme a delegada Tatiana Barreira Bastos, titular da 4ª DP de Canoas, que coordena o trabalho de policiais civis da 1ª, 2ª e 3ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (DPRM), Grupamento Aéreo e Batalhão Ambiental da Brigada Militar, a investigação está sendo realizada há seis meses, iniciada após o recebimento de denúncias da Ong Reprass.

“A operação representou a maior ofensiva ao tráfico e caça ilegal de animais silvestres da região metropolitana e Vale dos Sinos de todos os tempos, fruto de meses de investigação e monitoramento das atividades criminosas dos líderes da organização criminosa responsável também pela comercialização de armas de fogo utilizadas para a caça ilegal”, comemora a delegada Tatiana.

>> Deixe sua opinião: