Os artigos publicados no site da Rádio Taquara não refletem a opinião da emissora. A divulgação atende ao princípio de valorização do debate público, aberto a todas as correntes de pensamento.
Participe: jornalismo@radiotaquara.com.br
Publicado em 13/03/2020 16:49 Off

Preciso confessar um segredo

Nunca foi por mal. Nunca foi consciente, mas já aconteceu.



Diversas canelas em algum momento de suas vidas, tiveram contato com um toque sutil e despretensioso de alguma das aventureiras que eu já tive.

Acredito que seja uma marca registrada de todo cadeirante. Especificamente no meu caso, quase a totalidade das vezes se deu em momentos em que o condutor não era eu. A experiência de ser motorista de cadeira de rodas, como de qualquer outro veículo, dá as noções e os reflexos necessários para que em um circulo grande de pessoas em que se estiver em deslocamento, saber dosar a velocidade. Quem não tem muito a rotina de empurrar uma cadeira de rodas, só se preocupa em conduzir bem a cadeira e a pessoa que está sentada nela. Então, muitas vezes o próprio cadeirante auxilia nesse processo.

O maior receio é sempre de que a pessoa atingida reclame ou algo do gênero. Dá uma certa vergonha, dependendo de quem seja, uma vontade de se esconder. Em outros casos a gente dá risada.

Ainda não criaram CNH para cadeirante, mas a gente até que se vira direitinho.

O mundo pelos olhos de um cadeirante não é melhor, nem pior que o de ninguém. Mas tem umas peculiaridades que vale vocês conhecerem. E é isso que buscamos passar com essa coluna.

Mês que vem eu conto como eu desço as escadas sem auxílio de ninguém.

E não esqueçam: Se beberem, empurrem com moderação.

Por Cassiano Gottlieb, de Taquara
[Leia todas as colunas]

Os artigos publicados no site da Rádio Taquara não refletem a opinião da emissora. A divulgação atende ao princípio de valorização do debate público, aberto a todas as correntes de pensamento.
Participe: jornalismo@radiotaquara.com.br