Representantes da 22ª RT participarão da 50ª Ciranda Cultural de Prendas e do 32º Entrevero Cultural de Peões

Fase estadual será na sede social do CTG O Fogão Gaúcho
Publicado em 06/09/2021 15:51 | Atualizado em 07/09/2021 15:19 Off
Por Cleusa Silva
Fotos: Divulgação/22ª RT

Após quase dois anos de espera, em função da pandemia da Covid-19 (novo coronavírus), representantes da 22ª Região Tradicionalista (RT) irão novamente participar da 50ª Ciranda Cultural de Prendas e do 32º Entrevero Cultural de Peões (fase estadual) que serão realizados nesta terça-feira (07).

Este ano, os concursos ocorrerão de forma atípica, mas continuam com orientação e organização do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). Na região, a fase estadual será na sede social do CTG O Fogão Gaúcho, em Taquara, a partir das 8 horas.

No mesmo dia, também estará ocorrendo a 51ª Ciranda Cultural de Prendas e 33º Entrevero Cultural de Peões (fase regional), que tem como madrinha a tradicionalista Sílvia Gelinger. 

Conforme a 22ª RT, participam dos concursos, na fase estadual, a 1ª Prenda da 22ª RT, Cristiane Bauer, a 1ª Prenda Juvenil da 22ª RT, Luiza Tormes, a 1ª Prenda Mirim, Júlia Valandro, e o Peão Farroupilha da Região, Júlio Bartzen de Araújo. 

Para a 1ª Prenda, Cristiane Bauer, participar da 50ª Ciranda Cultural de Prendas em sua fase estadual é muito mais do que esperava quando se inscreveu para o concurso interno do CTG Passo dos Tropeiros, em 2018, de Rolante.

“O meu sonho era ser Prenda da minha entidade e poder representá-la pelo nosso Estado. Quando conquistei a faixa de 1ª Prenda da 22ª RT, em 2019, meu sonho estava mais do que realizado, naquele dia que tive a consciência de que iria representar a minha entidade e a minha região em um concurso Estadual”, lembra Cristiane.

Ela acrescenta ainda que durante sua gestão, que se estendeu de 2019 a 2021, devido à pandemia, ter um faixa de prenda não foi o mais importante.

“Percebi que a faixa importa, mas que a caminhada e os amigos que conquistei são muito mais valiosos. Conheci pessoas que me auxiliaram, me incentivaram e acreditaram em mim. Tenho certeza de que concluí meu sonho. Sobre o concurso, o que tiver que ser será, me dediquei e me esforcei, vou dar o meu melhor. Tenho orgulho de toda a minha caminhada representando o CTG Passo dos Tropeiros e a 22ª RT, independente do resultado, levarei ótimas experiências, aprendizado e sabedoria de tudo que vivi”, ensina a 1ª Prenda.

Já a 1ª Prenda Juvenil da 22ª RT, Luiza Tormes, destaca que participar da Ciranda Cultural de Prendas representa a realização de um sonho e é o resultado de anos de trabalho.

“Nesta caminhada eu aprendi e cresci muito enquanto prenda, e me tornei uma tradicionalista melhor. Estar novamente carregando o nome da 22ª Região Tradicionalista em uma ciranda estadual é motivo de muita honra e eu darei o meu melhor para bem representá-la. Que sigamos trabalhando em busca de deixarmos nossos sonhos e nosso legado na edição de ouro das cirandas. Todo caminho é mais leve quando se há paixão pelo destino”, enfatiza Luiza.

Aos 12 anos, a 1ª Prenda Mirim da 22ª RT, Júlia Valandro já sabe o verdadeiro significado e sentido do tradicionalismo. Para ela, o mais importante do que ser uma Prenda Estadual é saber valorizar as amizades conquistadas ao longo de sua trajetória como Prenda Regional.

“Participar de um concurso e ganhar uma faixa sempre foi meu sonho, sempre quis ter vestidos esvoaçantes e dançar em bailes no CTG. Depois que entrei para o meu CTG, tudo mudou. Conheci pessoas e aprendi muito, pude refletir sobre o que era tradicionalismo de verdade”, comenta a jovem prenda.

Ela ainda destaca que, após se tornar a 1ª Prenda Mirim do CTG Passo dos Tropeiros, de Rolante, descobriu que seu destino é mesmo cuidar da região.

“Desde pequena sempre dizia que quando ficasse maior cuidaria da nossa Região. Posso dizer que já realizei o meu sonho e se ganhar ou não a Ciranda Estadual, já estou realizada, pois sei que a nossa Região está sendo representada por uma prenda que sabe o que é a cultura do tradicionalismo. Os choros, os abraços, as despedidas valeram a pena. Conheci pessoas que me fizeram não desistir, e agora o que vier, virá com muito orgulho. Já fiz o meu papel nessa jornada”, salienta Júlia.

Representando a 22ª RT no 32º Entrevero Cultural de Peões (fase estadual), o peão Farroupilha da Região, Júlio Bartzen de Araújo comenta que o concurso é a possibilidade da juventude tradicionalista estar representada.

“Para mim, não é só um evento, mas a possibilidade de, através de uma competição, capacitar os jovens para assumir posições de liderança perante ao Movimento. O Entrevero contribuiu muito no meu desenvolvimento pessoal e acredito que também para milhares de outros jovens”, revela o peão Farroupilha.

>> Deixe sua opinião: