Sala das Margaridas é instalada na Delegacia de Polícia de Riozinho

Espaço atenderá idosos, mulheres, crianças e adolescentes
Publicado em 07/09/2021 10:59 Off
Por Cleusa Silva
Foto: Divulgação/Prefeitura de Riozinho

Na última sexta-feira (06) ocorreu a instalação da “Sala das Margaridas” na Delegacia de Polícia de Riozinho. O espaço, uma das principais políticas públicas da Polícia Civil no enfrentamento à violência, tem como objetivo acolher, de forma sigilosa e de escutar para registrar ocorrências policiais relacionadas aos casos familiares e de pessoas vulneráveis.

O projeto, idealizado anteriormente pela então vereadora, Carla Lindol, hoje Secretária Municipal de Administração, foi executado pela prefeitura de Riozinho, através da Secretaria Municipal de Assistência Social, que é coordenada pela primeira-dama e Secretária Municipal de Assistência Social, Liamara Pretto, juntamente com a assistente social Linara Renck, a psicóloga Micaeli Bielefeldt, com apoio da Delegacia de Polícia Civil e da Brigada Militar.

Durante a solenidade de inauguração, o delegado regional, Heliomar Franco, falou sobre a satisfação de oferecer em Riozinho mais esta ferramenta para atendimento das pessoas em situação de vulnerabilidade, neste projeto que já conta com dezenas de Salas das Margaridas dentro das delegacias de polícia do Rio Grande do Sul.

“Nós, da Polícia Civil, defendemos a instalação dessa Sala das Margaridas porque nós visualizamos o dia a dia, e a necessidade de haver um espaço mais acolhedor e diferenciado, onde as pessoas possam trazer as suas dificuldades familiares, em uma sala preparada e adequada para o correto atendimento dessas situações de violência, seja contra o idoso, contra a mulher, a criança ou o adolescente”, explica o delegado Heliomar.

A Sala das Margaridas em Riozinho contará com uma rede de atendimento, especializada para poder ouvir as pessoas, não só na parte criminal, mas também para fazer encaminhamentos psicossocial, psicológico e junto a Assistência Social do município.

>> Deixe sua opinião: