Secretário de Educação assegura transporte a alunos que fizeram inscrição em Parobé

Carlos Finger explicou mudanças no setor em entrevista à Rádio Taquara.
Publicado em 21/02/2018 23:10 Off
Por Vinicius Linden

Finger citou a expressiva diferença entre os recursos gastos com o transporte e os incentivos para o serviço encaminhados pelos governos federal e estadual. Vinicius Linden/Jornal Panorama

O secretário municipal de Educação de Parobé, Carlos Finger, explicou nesta quarta-feira (21), em entrevista à Rádio Taquara, as mudanças feitas no serviço de transporte escolar no município. Segundo Carlos Finger, está assegurado o transporte aos estudantes que, na inscrição, manifestaram a necessidade do serviço. A Prefeitura apenas promoveu adequações com vistas a economizar recursos que serão destinados à manutenção de escolas.

Finger explicou que os recursos que a administração municipal recebe dos governos federal e estadual para o transporte estão defasados. Citou que, no ano passado, a Prefeitura gastou R$ 1,1 milhão com o serviço, mas recebeu apenas R$ 210 mil. “Esses valores que são de outras rubricas fazem falta e hoje temos um panorama de sucateamento completo das escolas de Parobé, muitas, inclusive, sem o PPCI [Plano de Prevenção e Combate a Incêndio]”, citou o secretário, que lamentou, ainda, o fato de um projeto que visava a democratizar o acesso ao transporte não tenha sido aprovado pela Câmara de Vereadores. O projeto, segundo Finger, permitiria uma negociação com o governo do Estado.

Mesmo assim, o secretário lembrou que o serviço está assegurado àqueles que manifestaram e justificaram a necessidade no momento das matrículas, em novembro passado. Finger disse que todos estão nas relações e serão atendidos. Alguns casos de alunos que se matricularam em escolas longe de suas residências, mas têm educandários mais próximos, estão sendo contatados para que o estudante passe a ter aulas na escola mais próxima, evitando o transporte. Mesmo assim, Finger disse que, em caso de não ser possível a modificação de escola, o serviço será garantido.

Atualmente, Parobé tem cerca de 8,5 mil alunos. Destes, 1,8 mil têm o benefício do transporte escolar, sendo cerca de 475 de escolas estaduais, cujas aulas começam apenas na próxima segunda-feira, dia 26. Finger ainda explicou que foram reduzidas quatro linhas contratadas de empresas privadas, mas estes itinerários serão assumidos por ônibus da Prefeitura, que estavam na garagem devido à falta de motoristas. Os profissionais foram contratados emergencialmente. A redução de despesas será destinada à manutenção dos educandários.

Contratação de professores suspensa por ordem judicial
Na entrevista que concedeu à Rádio Taquara, Finger ainda comentou sobre a contratação de professores, que está suspensa desde setembro no município. A medida, segundo ele, atende a uma determinação judicial em processo que envolve concurso público realizado em 2014. De acordo com Finger, o processo seletivo escolheu 125 professores para a educação infantil e 120 para as séries iniciais do ensino fundamental.

Contudo, na educação infantil, 34 professores não assumiram o concurso e, no ensino fundamental, quatro educadores não foram contratados. Em 2015, porém, a prefeitura acabou chamando profissionais via contratação emergencial, o que gerou um processo junto à Defensoria Pública que moveu a ação na Justiça. Foi determinado, então, a suspensão das contratações emergenciais até que todos os vencedores do concurso fossem chamados.

Carlos Finger explicou que, atualmente, a Secretaria de Educação está fazendo editais para chamar os professores do concurso, mas lembrou que o procedimento é burocrático, pois precisa ser divulgado, os professores localizados, muitos não querem assumir as vagas pois já conseguiram outras colocações, entre outros entraves. Por isso, faltam, atualmente, cerca de 10 professores na educação infantil e 23 nas séries iniciais, que estão sendo supridos pelas coordenadoras das escolas, que estão dentro das salas de aula atendendo aos alunos.

Assista a íntegra da entrevista com Carlos Finger:

>> Deixe sua opinião: