Cultura e Lazer
  20ª SEMANA NACIONAL DE MUSEUS

Semana dos Museus de Taquara contará a história de Tristão Monteiro

Exposição trará fotos e objetos pessoais pertencentes ao fundador do Município.
Objetos da exposição pertenceram a Tristão Monteiro e sua família.
Foto: Ruan Nascimento/Prefeitura de Taquara 

A Prefeitura de Taquara receberá em seu saguão a exposição “Tristão Monteiro na Taquara do Mundo Novo”, entre os dias 16 de maio e 17 de junho. Será uma coletânea de fotos antigas e de objetos pessoais pertencentes a Tristão Monteiro, fundador do Município, emancipado em 1886, em uma atividade que integrará a programação da 20ª Semana Nacional de Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus. Quem organizará a mostra no Município será o Museu Histórico Municipal Adelmo Trott.

De acordo com o chefe da Divisão do Arquivo Histórico, Maicon Rodrigues, será apresentado para o público a influência do Tristão Monteiro em Taquara. “Além das fotos e objetos pessoais, o trabalho mostra algumas iniciativas adotadas pelo Tristão Monteiro no século XIX, como a doação do terreno para fazer a atual Praça Marechal Deodoro, ou a doação do terreno para fazer as igrejas Católica e Luterana. Também falaremos da Rua Tristão Monteiro, nomeada desta forma em sua homenagem, e que conta com repletos casarios antigos que contam a história do Município”, explica.

Compromisso com a história de Taquara

A prefeita Sirlei Silveira ressaltou a importância desta exposição, que conta a história dos primeiros anos da cidade de Taquara. “A história do nosso Município se confunde com a de Tristão Monteiro, que abriu caminho para a chegada de muitas famílias antes mesmo da emancipação de Taquara. Reconhecer o nosso passado é essencial para entendermos quem somos nós e de onde viemos”, conta.

Maicon complementa que o trabalho busca mudar a concepção de visão dos moradores com relação a história do Município, uma das prioridades da Administração Municipal. “Nós só vamos mudar a visão dos taquarenses sobre o Município e fazer o engajamento das ações promovidas pelo poder público se as pessoas conhecerem essa história, se identificarem e se sentirem pertencentes”, destaca.