Geral
  CICLONE YAKECAN

Simulação aponta maior intensidade de ciclone durante a noite desta terça e madrugada de quarta-feira (18), no Vale do Paranhana

O litoral do Rio Grande do Sul deve registrar ondas com mais de quatro metros e rajadas de vento de mais de 115 km/h.

Após o alerta emitido pelo INMET (Instituto Nacional de Meteorologia), nesta segunda-feira (16), para a formação de um  ciclone na costa do Rio Grande do Sul, os ventos no Vale do Paranhana se intensificaram entre a madrugada e manhã desta terça (17), e a tendência, segundo as previsões dos meteorologistas, é de que se tornem mais intensos entre a noite de hoje e a madrugada desta quarta-feira (18), na região. 



O professor e pesquisador, Carlos Fernando Jung – diretor do Observatório Heller & Jung, de Taquara – afirma que, conforme simulação divulgada no site Wind.com, as imagens mostram uma possível maior intensidade do Ciclone, por volta da 00h desta terça podendo se estender até as 3h da manhã da quarta-feira, em Taquara e região. (Assista o vídeo)

Vídeo: Divulgação/Carlos Fernando Jung

O ciclone, batizado pela Marinha do Brasil como Yakecan (que em tupi-guarani significa “o som do céu”), já atinge diversas partes do território gaúcho. As autoridades monitoram de perto a trajetória do fenômeno e as informações sobre as forças do vento que vão atingir o Rio Grande do Sul nesta terça-feira e quarta-feira. Os modelos meteorológicos são gerados a partir de supercomputadores, atualizados em períodos específicos de tempo.

A Defesa Civil Nacional confirmou que fará boletins a cada 12 horas com a atualização do avanço do ciclone. Serão estas atualizações que poderão confirmar se o ciclone vai evoluir para um furacão. O litoral do Rio Grande do Sul deve registrar ondas com mais de quatro metros de altura e vento intenso, com chance de rajadas de mais de 115 km/h, nos próximos dias, segundo a Climatempo.

Ciclone pode virar furacão

Todo o furacão é um ciclone tropical, mas nem todo ciclone tropical é um furacão. Entre outros aspectos, os requisitos que podem diferenciar os níveis de gravidade do fenômeno estão relacionados à força dos ventos sustentados, ou seja, registrados de maneira constante em determinada localidade e não apenas as rajadas. Neste contexto, ventos sustentados entre 30 km/h e 60 km/h indicam uma depressão tropical. Entre 60 km/h e 120 km/h, uma tempestade tropical. Apenas se a força do vento ultrapassar 120 km/h ele sobe para a categoria de furacão.