Educação Geral
  ASSISTA ENTREVISTA

Taquara fará consulta à comunidade para definir detalhes da Escola Cívico-Militar

Prefeita Sirlei Silveira e secretária de Educação, Carla Silveira, explicaram à Rádio Taquara tramitação do projeto.
Foto: Reprodução

A Prefeitura de Taquara fará uma consulta à comunidade nos próximos dias como o objetivo de conhecer realidades locais e definir detalhes para a implantação da Escola Cívico-Militar. Entre estas questões a serem definidas, está o local e a escola que poderá sediar a nova unidade. O município foi contemplado com um educandário no projeto do governo federal que envolve uma parceria entre o Ministério da Educação e o Ministério da Defesa, cujo anúncio foi realizado na segunda-feira (10).



Nesta quarta-feira (12), a prefeita Sirlei Silveira e a secretária de Educação, Carla Silveira, participaram do programa Reserva das Cinco, da Rádio Taquara, em que explicaram detalhes sobre a nova unidade. A ideia é colocar em funcionamento a escola ainda em 2022. Segundo a prefeita Sirlei, este projeto está em andamento desde o ano passado, quando a administração municipal, com o apoio de parceiros como o vereador Marcelo Maciel e o secretário de Desenvolvimento Social, Maurício Souza Rosa, levou o assunto ao governo federal. Sirlei contou que esteve em Brasília pessoalmente apresentando a documentação para viabilizar a iniciativa.

A prefeita lembrou que há dois modelos em funcionamento sobre as Escolas Cívico-Militares, um deles que exige contrapartida dos municípios e o outro, federal, que tem a participação financeira da União. É justamente este modelo que Taquara conseguiu ser contemplada, fazendo com que o município tenha o acesso à mão de obra dos profissionais militares sem custos à prefeitura. Os monitores do projeto atuarão junto à escola que for definida para sediar o projeto, em um trabalho integrado às disciplinas do educandário conduzida pela equipe de professores local.

Segundo a secretária Carla, existem 12 escolas em Taquara que se inserem dentro das condições definidas pelo programa. Com isso, os pais e a comunidade destas localidades deverá receber uma consulta para identificar uma série de fatores relacionados à implantação da Escola Cívico-Militar, a fim de definir o local que sediará a iniciativa, concatenando, também, com outras exigências do governo, como os índices educacionais a serem observados.

A secretária e a prefeita explicaram que o projeto pedagógico não sofre interferência do programa do governo federal. O que é evidenciado na Escola Cívico-Militar, segundo Sirlei e Carla, é um trabalho relacionado a valores, de civismo, patriotismo, entre outros, que são trabalhados de diversas formas, como o uso de banda e outras iniciativas.

Assista a entrevista na íntegra: