Titinho se manifesta após operação da PF sobre o Hospital de Taquara

Ex-prefeito confirma mandado cumprido em sua residência, mas diz que delegado se retirou do local após receber resposta de que não havia documentos sobre a casa de saúde.
Publicado em 31/08/2021 14:42 | Atualizado em 31/08/2021 16:46 Off
Por Vinicius Linden

O ex-prefeito de Taquara Tito Lívio Jaeger Filho divulgou, nas redes sociais, posicionamento em relação à operação Tomentella, da Polícia Federal e Controladoria-Geral da União (CGU). A ação apura supostos desvios no Hospital Bom Jesus durante a gestão do Instituto de Saúde e Educação Vida (ISEV). Tito confirmou que recebeu a PF em sua residência, negou irregularidades e desejou que tudo seja logo esclarecido, a justiça seja feita e os culpados punidos.

“A vinda da Polícia Federal à nossa cidade na manhã de hoje [terça-feira, 31 de agosto], gerou as mais diversas especulações e também serviu de combustível para um grupinho político de oposição monopolizar as mídias e redes sociais com seus memes, fotos e falsas notícias”, inicia o ex-prefeito.

Tito mencionou que a presença da polícia visa a apurar suspeita de desvio de recursos quando da administração do hospital de Taquara pelo ISEV e disse que a entidade “veio parar em Taquara por indicação do governo do Estado”. “A briga de interesses quanto a nosso hospital infelizmente é antiga. Essa denúncia já havia surgido em 2018, é óbvio que por ser o prefeito da época, também fui questionado. Na oportunidade, o próprio Tribunal de Justiça, na Câmara Especializada que apura atos dos prefeitos, reconheceu a minha total isenção e determinou o arquivamento da matéria com relação à minha pessoa e declinou a competência”, explica o ex-prefeito.

Na sequência do texto, Titinho confirma que um dos delegados da PF esteve em sua casa. “Não vasculhou ela ou colocou ‘tudo abaixo’, como alguns patifes querem fazer acreditar. Não prendeu, algemou ou conduziu ninguém de nossa família sob custódia. Apenas me questionou, em razão de eu ter sido mandatário municipal, se havia em meu poder algum documento que tratasse sobre o hospital ou sobre a instituição referida. Com a resposta negativa, prontamente se retirou do local”, detalhou.

O ex-prefeito diz que a situação não é algo confortável, “porque, no imaginário popular, infelizmente com o que é maldosamente dito e distorcido, acabamos sendo vistos com maus olhos”. E acrescenta: “só posso imaginar que infelizmente o fato de ter sido o único prefeito reeleito, ter minhas contas de gestão e de governo junto ao TCE – Tribunal de Contas do Estado, todas aprovadas até o momento, e nunca ter sofrido qualquer condenação, incomoda muita gente, principalmente aqueles que sabem que não possuem condições políticas de nos ganhar em um processo limpo. Sigo à disposição da nossa gente e da nossa região”, afirmou.

>> Deixe sua opinião: